13 pontos essenciais sobre implantes dentários que você precisa saber.

Sorriso Mood

As 13 questões fundamentais sobre implantes dentários, suas indicações, prós e contras, riscos e características técnicas.

Os implantes dentários são alternativas eficazes e seguras para a substituição de um ou mais dentes perdidos, desde as áreas anteriores com muita necessidade estética até os casos de pacientes totalmente desdentados e que usam dentaduras.

Feitos em titânio especialmente elaborado para uso em corpo humano, possuem formato semelhante a uma raiz dentária e são instalados dentro do osso na área aonde está o dente ausente. Aderem-se ao osso pelo processo de osseointegração entre esse e a superfície de titânio.

É bastante comum, hoje, pacientes acima dos cinquenta anos de idade com alguma necessidade de tratamento odontológico com o uso de implantes dentários, apesar do possível uso em pacientes já a partir dos 18 anos de idade – fase em que o paciente já cessou o seu crescimento ósseo.

Assim, elaborei doze pontos fundamentais ( e mais um ! ) com informações essenciais sobre vantagens, indicações e riscos sobre os tratamentos dentários com implantes dentais para que o paciente possa ter um mínimo de informações necessárias, e que são importantes na hora de discutir com o seu dentista a melhor opção para o seu tratamento.

Implante 2

As 13 questões fundamentais que você precisa saber sobre implantes dentários :

1. O implante dentário é apenas a parte fixada dentro do osso maxilar e que substitui a porção radicular de um dente.

O implante dental refere-se apenas à peça em titânio que substitui a raiz de um dente perdido. Aos implantes são conectados as próteses dentárias, em porcelana, e que substituem a coroa dentária perdida. Assim, a restituição completa de um dente perdido é realizada com a instalação de um implante dentário junto ao osso de uma prótese conectada a esse implante dental.

2. O Implante dentário é diferente da raiz de um dente.

Apesar de um implante dentário ter a função de substituir a porção que corresponde à raiz de um dente, ele não possui o mesmo mecanismo de funcionamento de um dente natural, principalmente no que diz respeito à forma como estão presos aos maxilares.

As raízes dentárias não estão presas diretamente aos maxilares como os implantes dentários estão. Entre uma raiz dentária sadia e o osso maxilar que a circunda existem estruturas denominadas de ligamentos periodontais – semelhantes aos ligamentos que existem em outras parte de nosso organismo. Os ligamentos conferem aos dentes, principalmente, uma proteção física com propriedades de amortecimento aos impactos mastigatórios, além de servirem como um indicador ( ou alerta ) da presença de qualquer estrutura muito dura que pode danificar ou quebrar nosso dentes durante a mastigação- como, por exemplo, quando mordemos aquelas pequenas pedrinhas que podem estar escondidas entre os grãos de arroz.

Os implante dentários, ao contrário das raízes dentárias, são conectados diretamente aos ossos maxilares, não possuindo uma estrutura de proteção tão refinada com os ligamentos periodontais para indicar a presença de pequenas partículas duras misturadas aos alimentos. Mas nada que torne impeditivo o uso rotineiro da técnica com implantes dentários para substituir dentes perdidos, não constituindo um risco real para contraindicar o uso dos implantes dentais.

3. O implante dentário necessita de tempo para ficar totalmente integrado ao osso.

Os implantes dentários não possuem, na verdade, o mesmo funcionamento de um parafuso comum. O que realmente prende um implante ao osso maxilar é o processo de osseointegração, aonde as células ósseas do osso maxilar integram-se quimicamente à superfície do implante dentário.

O tempo exato desse processo de osseointegração, que inicia-se logo após a cirurgia de instalação do implante dentário, depende da qualidade óssea do paciente, do design e do tipo de superfície do implante dental ou dentário utilizado. O processo completo de osseointegração leva mais de 6 meses para estar completo, porém antes disso o implante dentário já está apto a receber uma coroa protética definitiva em porcelana.

4. Não existe o risco de rejeição biológica ao implante dentário.

Os implantes dentais são confeccionadas com uma linga em titânio totalmente inerte. Materiais quimicamente inertes são 100% compatíveis com o nosso organismo porque não liberam absolutamente nenhuma substância que pode provocar qualquer tipo de rejeição pelo organismo, não representando riscos de rejeição ao titânio.

Os casos de falha na osseointegração – menos de 10% dos casos instalados – devem-se a outros motivos tais como a infecção ainda inexiste no osso, a seleção incorreta do tipo de implante ou as falhas técnicas e de assepsia durante a cirurgia.

5. Em poucos casos o paciente pode sair com o dente no mesmo dia da instalação óssea do implante dentário.

São poucos os casos em que o paciente já sai da consulta com o dente instalado sobre o implante.  Ainda que essa técnica represente uma grande vantagem porque já permite o fechamento do espaço dentário com um provisório preso ao implante dental, as indicações para ela são pequenas porque poucos são os casos com as condições propícias para a técnica. Na maioria dos casos, o uso desse técnica diminui substancialmente as chances de sucesso de osseointegração do implante, caindo abaixo de 85% da chance de sucesso da osseointegração do dente. É um risco desnecessário na maioria das vezes, até porque existem outras formas de fechar os espaços dentários ausente com provisórios que não necessitam estar fixados aos implantes recém instalados.

6. O melhor momento para instalar um implante é logo após a remoção da raiz dentária do dente com problemas.

É uma grande vantagem e facilitador da técnica quando o implante dental é instalado no mesmo instante em que a raiz dentária é removida do paciente. Essa vantagem significa menos necessidade de técnicas para reconstrução da gengiva ou osso ao redor do implante, uma vez que quando maior o tempo entre a remoção da raiz dentária e a instalação do implante dental, maior a probabilidade da necessidade de uso de alguma técnica de reconstrução estética ou funciona do osso perdido.

7. Implantes dentários nacionais são tão eficientes e seguros quanto os importados.

Algumas vantagens de alguns implantes dentários importados dizem respeito à facilidade técnica de instalação pelo dentista ou do tempo que o paciente tem que esperar para colocar a prótese definitiva em porcelana após a instalação do implante dentário. A longo prazo os implantes dentários nacionais são tão eficientes quanto algumas marcas importadas de excelência de implantes dentários. Não constitui, em hipótese alguma, um risco ao paciente o uso de implantes nacionais.

8. É possível colocar próteses em porcelana pura sobre implantes dentários.

Hoje já possuímos técnicas que permitem que toda a prótese dentária conectada ao implante dentário – que está abaixo da gengiva – seja feito todo em porcelana dentária, sem o uso de estruturas em metal. É uma grande vantagem quando necessitamos de todos os recursos estéticos para os dentes anteriores, que são os casos com os maiores desafios estéticos.

9. Os implantes dentários podem necessitar de enxerto ósseo ou de gengiva.

São muitos comuns os tratamentos com implantes dentários que necessitam de enxertos ósseos ou gengivais.

Muitas vezes o local que receberá um implante não possui a quantidade necessária de osso, tanto em largura quanto em altura, mínimas para a instalação segura de um implante, e o mesmo acontecendo com a gengiva. Em alguns casos nós até temos essa quantidade mínima de osso e gengiva, porém não em quantidade suficiente para a reconstrução estética ideal. Em outros casos, essa falta de osso e gengiva pode causar problemas como o acúmulo de alimentos juntos às próteses instaladas.

As vantagens dos enxertos ósseos e gengivais são evidentes e são o foco constante das pesquisas em implantodontia. Os enxertos ósseos mais comuns são os realizados com osso coletado do próprio paciente ou osso bovino liofilizado. Mais recentemente foi introduzida a técnica de liofilização de osso humano, mas que possui uma resistência emocional maior por parte do paciente.

Os riscos representados pelos enxertos são as infecções que podem estar presentes pelo uso da técnica.

10. Assim como os dentes, o acúmulo de placa bacteriana entre o implante e a gengiva pode causar doenças.

O acúmulo de placa bacteriana, decorrente da má higiene bucal, junto aos implantes dentais, pode ocasionar a periimplantite, que é a inflamação do osso que circunda e dá suporte ao implante dentário . A periimplantite é um risco e pode levar à perda do implante e a grandes falhas ósseas que podem comprometer a nova instalação de um novo implante.

O tratamento da periimplantite é, de certa forma, semelhante ao tratamento das gengivites e periodontites. O importante é evitar o risco de perda do implante pela presença da periimplantite.

11. Pacientes fumantes e diabéticos controlados podem colocar implantes dentários.

Pacientes fumantes necessitam de um protocolo de parada do uso do tabaco por, pelo menos, 14 dias antes da instalação dos implantes dentários. É fato que os pacientes fumantes possuem maior propensão às falhas de osseointegração dos implantes, decorrentes principalmente da alteração química dos tecidos e células presentes na região de instalação dos implantes. Além disso, o próprio processo de osseointegração se dá de forma mais lenta do que a encontrada em pacientes não fumantes.

Os pacientes diabéticos controlados possuem índices de insucesso na osseointegração e manutenção dos implantes quase idêntica ao dos pacientes sadios. Os pacientes com diabetes descompensada não devem se submeter a cirurgias para a instalação de implantes dentários.

12. Não há limite de idade para substituir dentaduras e pontes por próteses fixas aos implantes dentários.

Os idosos respondem muito bem às técnicas para a instalação dos implantes dentários, possuindo boa resposta de cicatrização óssea e osseointegração dos implantes dentários após a cirurgia.

A maior parte dos tratamentos dentários realizados pelos idosos são para a instalação de implantes dentários para substituir dentaduras próteses dentárias parciais removíveis. Esses tratamentos devolvem segurança, estética e rigidez para a mastigação do paciente idoso, solucionando os problemas como dor e instabilidade dessas próteses durante a mastigação e fala.

Mature Couple Having Fun In Countryside
Pacientes idosos são os mais beneficiados com os tratamentos com implantes dentários.

13. Implantes dentários não custam caro.

O tratamento odontológico com implantes exige muita responsabilidade e habilidade do dentista porque necessitam de um cuidadoso procedimento cirúrgico de instalação óssea. Os custos com treinamento, equipamento cirúrgicos específicos, além do próprio implante, fazem parte desse rol de custos envolvidos. Entretanto, é um dispositivo que pode durar acima de 30 anos de uso, em máxima função.

É importante ter em mente que implante não é tudo igual – existem modelos de qualidade inferior a preços irrisórios para o dentista, e que a experiência e técnica utilizada fazem toda a diferença no resultado final do seu tratamento. Solicite ao seu dentista somente marcas de referência

Gostaria de compartilhar em sua rede social?

É só clicar no ícone ao lado para compartilhar

Site criado pela Eriansoft - Todos os direitos reservados.